Intercâmbio em casal – você está preparado?

Muitas pessoas acham que intercâmbio se faz quando está solteiro. Só que não é bem assim! Muitas pessoas unem a vontade de estudar e trabalhar no exterior com o amor. Nessa matéria você pode inclusive confirmar que o número de casais procurando por essa experiência cesce a cada dia. Além de mostrar que um pacote que inclui curso para dois pode sair mais barato do que um viagem de turismo apenas. Porém, fazer um intercâmbio em casal não é uma decisão tão simples de ser tomada e muito menos uma experiência 100% simples. Se você ainda não tem certeza se o seu relacionamento está preparado pra essa experiência recomendo ler esse artigo. Algumas pessoas  que estão vivendo essa experiência foram entrevistadas pelo Feliz 7 dias por semana e compartilharam suas experiências pra você se espelhar em quem já é expert no assunto!

Pergunta 1: qual é a maior dificuldade no intercâmbio em casal?

“Pra mim, o ciúmes das novas experiências e novos amigos. Acho que quando vem em casal, a pessoa não aproveita tanto, lógico que depende do casal” – Nathalia

“Pra nós a maior dificuldade é ter que dividir uma casa com outras pessoas. Se acostumar com os hábitos dos outros e principalmente tentar manter a boa atmosfera e a boa vizinhança.” – Marina

“No meu caso, a adaptação. Éramos apenas namorados no Brasil e quando viemos morar aqui (na Nova Zelândia) a gente começou a ter vida de casado. Então a adaptação é dupla, temos que nos adaptar tanto ao novo país quanto a nova etapa do relacionamento.” – Kamila

“Não ter ninguém com quem compartilhar quando há uma crise ou briga. Aqui somos só nós dois em situações boas ou ruins. No começo não tínhamos nem amigos, então realmente sobrecarregava a relação. Quando tinha algum desentendimento, não tinha “pra onde fugir” (risos).” – Mari

 

Pergunta 2: qual é a melhor parte de fazer um intercâmbio em casal?

“A melhor parte é ter alguém junto pra dividir as coisas, tanto as ruins quanto as boas.” – Nathalia

“A melhor parte é a de sentir todos os dias que você está em um país melhor e longe da corrupção e das coisas que nao funcionam no brasil, segurança. E ter uma a outra é a melhor coisa pra gente.” – Marina

“Ter alguém pra suprir a saudade de casa. Também aumenta a possibilidade de ficar no país. Pois se um dos dois consegue um visto o outro consegue o visto de parceiro.” – Kamila

“Criamos uma melhor cumplicidade (em todos os sentidos). Pelo mesmo fato de não termos ninguém, só podemos contar um com o outro. Apesar de termos nossas famílias e amigos no Brasil e podermos dividir com eles nossas alegrias e tristezas, tem coisas que não contamos pra não preocupar ninguém. Então nossas escolhas dependem muito de nós mesmos. Das nossas conversas, entendimentos, aquilo que planejamos pro nosso futuro” – Mari

 

Pergunta 3: Qual dica você daria para quem  quer fazer a experiência do intercâmbio em casal dar certo?

“Permita ao outro e a si mesmo ter novas experiências”. – Nathalia

“Todo dia é uma luta, mas o ponto de vista é que vai definir seus próximos dias, tentamos lembrar que o ruim passa assim como o bom também, e tentamos manter o equilibrio e positividade”. – Marina

“A dica é ter paciência e saber ceder, apoiar um ao outro indepente da situação, ser aberto pra falar sobre sentimentos. Principalmente porque o emocional fica mais aflorado com a mudança de país e de vida.” – Kamila

“Dica pra todo relacionamento dar certo, além de respeito e confiança, é preciso ter muita paciência. Como eu falei aqui é tudo muito intenso e muitas vezes não temos um amigo pra pedir conselhos. No nosso caso, coube a nós mesmos aprendermos a lidar com nossos sentimentos, diferenças. Com isso, acredito que amadurecemos como casal.” – Mari

 

Pergunta 4: O relacionamento melhora com essa experiência? Por quê?

“O casal se torna mais unido (se o relacionamento durar)”. – Nathalia

“A nossa relação ja era 100% mas agora parece que melhorou ainda mais. Somos muito mais apaixonadas aqui mesmo com as dificuldades. Acho que o que define dar certo não é o intercambio em casal em si. Mas sim ter os mesmos objetivos de vida e claro de como é a sua relação. Nós duas somos muito parceiras e cuidadosa uma com a outra. Isso melhorou ainda mais agora porque estamos longe de todos e nós duas somos a nossa família agora.” – Marina

“No meu caso melhorou o relacionamento e fez ficar mais forte. Na minha opinião o intercâmbio em casal ou faz você decidir que quer ficar com a pessoa de vez ou faz o casal se separar (risos).” – Kamila

“O relacionamento não depende de um intercâmbio em casal pra melhorar (ou acabar de vez). No nosso caso, melhorou, pelo fato de termos criado uma cumplicidade muito maior do que se estivéssemos no Brasil. Minha família sempre foi muito presente na minha vida e ficar longe deles, ao mesmo tempo que fez muita falta, fez com que meu relacionamento se fortalecesse. Aqui eu só tenho o Marcelo pra dividir diretamente, dia a dia, todas as minhas experiências. Repito, tudo aqui fica mais intenso, aquela briga boba que não teria importância no Brasil aqui me faz “sofrer” mais. Só que vir com um companheiro pra cá foi muito bom, Saber que tem alguém pra apoiar, criticar e dividir momentos faz a gente se sentir mais segura e protegida. Já morei antes fora do Brasil e sozinha, posso garantir que, principalmente na fase de adaptação, ter a pessoa amada junto facilita muito o processo.” – Mari

 

Recebe por email um eBook grátis para te ajudar a escolher o seu destino de intercâmbio clicando aqui

 

Outro ponto de vista

Quando perguntei sobre esse assunto, algumas pessoas me relataram o outro lado da moeda. Quando o relacionamento acaba antes mesmo do intercâmbio em casal começar. Se esse é o seu caso, não se desespere, aqui vai o depoimento da Dani pra provar que provavelmente, foi a melhor coisa que te aconteceu.

“A gente terminou coisa de 1 ou 2 meses antes de eu vir (pra Nova Zelândia) e o motivo é a resposta da primeira pergunta. Não existia objetivos em comum na experiência em que cada um queria levar da Nova Zelândia. Meu sonho sempre foi ter uma carreira internacional, não necessariamente imigrar, mas ter a chance de poder trabalhar na minha áera em qualquer outro lugar do mundo pra sair daquela bolha que eu vivia. Enquanto ele, só queria vir para estar comigo. Não almejava nada. Ele não estava aberto a viver esse lugar. Ele não plenejava nada além de “o que você fizer, vou atrás”. Hoje eu trabalho na minha área e sou muito feliz aqui. Acho que não conseguiria chegar onde eu cheguei em tão pouco tempo se eu estivesse com ele. Então respondendo a primeira pergunta, no meu caso a maior dificuldade foi encontrar objetivos em comum e aprender a entender que cada um tem seu ritmo de adaptação e até aprendizado. Só que eu sou impaciente e dispensei antes de tentar(risos).”

 

A decisão

Cada caso é extremamente particular. Só você e o seu parceiro podem decidir se estão preparados para essa experiência. O mais importante é saber que se você decidir fazer um intercâmbio vai ser especial do jeito que for. Em casal ou sozinho. O importante é não forçar a barra e fazer de uma experiência que deveria ser incrível, uma catástofre!

 

intercâmbio em casal

Marina e Bethania

intercâmbio em casal

Kamila e Rodolfo

Mari e Marcelo

 

E aí, qual a sua opinião sobre o assunto intercâmbio em casal? Já teve essa experiência? Tem alguma dica pra dar? Deixa nos comentários <3

 

Pâmela Vicente

Pâmela, aos 20 embarcou pra uma viagem que mudaria sua vida pra sempre. Conheceu o mundo lá fora e não parou mais. Se descobriu. Descobriu que é possível ser feliz 7 dias por semana ainda que a vida seja uma loucura. Quer compartilhar tudo o que vê e vive. Espera que compartilhando, inspire outras pessoas a serem felizes 7 dias por semana.

Website: https://www.instagram.com/pamvicentee/